Moda e Música com Isa Menta: New Wave

Oi, gente! Isa Menta aqui para apresentar mais um Moda e Música, o programa que irá unir os dois universos através de histórias de bandas, curiosidades de artistas, indicações de músicas, filmes e muito mais associado à cultura pop aqui no “Esse Tal de Rock and Roll”. E hoje, seguindo a linha do tempo do tema de estreia do nosso último programa, que abordou as influências do movimento punk, decidi falar sobre o New Wave – ou “a nova onda”, como preferir – a partir do momento de declínio do punk rock na década de 80.

Assim como algumas vertentes do punk exploraram ideais e estilos ainda mais agressivos e extremos – com o uso predominante de guitarras distorcidas, tocadas em maior velocidade, em acordes básicos e negando o esquema “verso/refrão/verso” –, o movimento também passou pelo seu momento de repaginação, ou seja, o New Wave. Através da evidenciação dos teclados, dos sintetizadores e de letras mais “suaves” e alegres, o estilo se consagrou como o mais popular do período, atingindo a aprovação quase integral da sociedade, o que a gente viu que não aconteceu muito com o punk em si, né?

E quem diria que o rock passaria pela sua fase colorida e alto astral, não é mesmo? Principalmente num momento em que o som progressivo já era considerado de certa forma “ultrapassado” e o mundo também passava pela Guerra Fria, ou seja, a tensão entre Estados Unidos e União Soviética, pode-se dizer que os rumos comportamentais da sociedade mudaram juntamente com outros aspectos, como a economia e a política.

Para quem não sabe – e eu confesso que também não sabia antes de começar a faculdade -, dentro da moda e de diversas outras áreas como o marketing, todos nós estudamos o que chamamos de “Psicologia das Cores”, que é nada mais do que o estudo do impacto das cores sobre o nosso psicológico. E num momento em que o diálogo intercultural era pouco e todo o caos havia sido instaurado pelas duas superpotências, a sociedade sentiu a necessidade de manifestar a esperança de uma possível melhora através de seu novo estilo e, claro, das cores.

Comparando os dois movimentos em sequência, ou seja, o punk e o New Wave, pode-se dizer que embora pertencentes ao mesmo gênero, porém em estilos musicais diferentes, a moda foi totalmente repaginada. As cores escuras, que denotavam a extrema força, a rebeldia e o mistério deram lugar às cores vibrantes, que expressavam a alegria, as boas expectativas, a harmonia e o entusiasmo aos olhos do povo.

Falando de música, as bandas pioneiras do movimento foram Talking Heads, DEVO e The Cars que, novamente, produziam músicas mais “bem comportadas” e inofensivas ao cenário da época. A banda Talking Heads foi marcada pelo caráter experimental e divertido das letras, que normalmente apresentavam um significado mais profundo, mas sem o tom agressivo do movimento anterior, como apontam alguns estudiosos da área. Ao englobar diversos gêneros, suas músicas possuíam construções mais rítmicas e faixas como “Once In A Lifetime”, “And She Was” e “Burning Down The House” foram marcantes para o momento.

Nesse contexto de diversão e leveza, o New Wave apresentava muito fortemente o amarelo, o rosa fluorescente, o verde neon e principalmente o laranja tanto em seus produtos quanto em peças de vestuário. Na moda, notou-se a grande utilização de roupas chamativas na mesma paleta de cores, além das sombras e batons em tons vivos e exóticos, que traziam um estilo futurista à composição.

No ano de 1978, o grupo The Cars lançou a ferramenta que contribuiu fundamentalmente para a difusão ainda maior do New Wave e sua consequente popularidade: o conjunto de faixas reunidas em um disco que levava o mesmo nome da banda. O resultado de suas músicas foi um pop futurista, produzido a partir da combinação de melodias envolventes, sintetizadores e elementos do pós-punk, que perdurou pelos outros discos presentes na história do grupo.

Já o DEVO, consagrou-se como clássico deste movimento musical por tratar de assuntos sérios, porém com viés mais divertido e bem humorado, ao representar, de certa forma, o futuro, segundo David Bowie. Que responsa, hein?

Em 1981, com o surgimento da MTV, as ligações entre moda e música se estreitaram ainda mais. Após a associação entre som e imagem, os videoclipes surgiram e, com eles, uma onda ainda maior de influências fashion, proporcionadas por cantores do momento. Além das pioneiras do movimento, bandas como Blondie, The B-52s, Soft Cell e A-HÁ produziram seus primeiros clipes e trouxeram inspirações junto a seus vestuários, caracterizados principalmente por tecidos tecnológicos, brilhos, ombreiras, perucas e meias coloridas. Além, claro, do crescimento e apelo à moda unissex.

De certa forma, pode-se dizer que a indumentária da década de 80 foi uma espécie de paradoxo. De um lado, a situação de incerteza e tensão no mundo, que trazia dúvidas constantes à população acerca de seu futuro. De outro, a alegria, versatilidade, sensualidade e ousadia pregadas pelo New Wave.

E já que moda e música são ferramentas de identidade, qual estilo você escolheria por um dia? O mais pesado e rebelde do punk ou o colorido e alto astral do New Wave? Eu sou a Isa Menta e esse foi mais um Moda e Música, que veio pra contar histórias e curiosidades através da união dos dois mundos. Aproveito para lembrá-los de me seguir lá no instagram @isaamenta! Obrigada e até a próxima!

Escute o quadro Moda e Música com Isa Menta:

Não esqueça de deixar sua opinião sobre o quadro aí nos comentários!

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!