nobandnobrand: pop sem rótulo

Ano após ano, Porto Alegre se consolida na vanguarda musical brasileira. É de lá que o rock brasileiro surgiu revigorado após o Brock dos anos oitenta, e também é lá que o pop vem assumindo formatos cada vez mais interessantes, em consonância ao que de melhor é lançado lá fora. Um dos artistas dessa nova safra que não me deixa mentir é o Bernardo Liz, que com o seu projeto nobandnobrand (em tradução livre, algo como "sem banda e sem marca") nos presenteia com um single de estreia etéreo, gravado no melhor estilo "bedroom pop". "Acho que se a gente não se identifica tanto com a cena local, acaba se sentindo mais seguro, mais confortável, escrevendo no quarto, de forma mais intimista", diz Bernardo, que contou com a ajuda do produtor Nick Mendes neste trabalho.

Segundo Bernardo, que também aproveitou o longo período de isolamento social para compor, "Memento", primeiro single de nobandnobrand, é uma forma de "encarnar com esperança o eventual fim da Covid, assim como a superação de um término".

O uso do auto-tune "extremo" aqui, em vez de encobrir alguma deficiência técnica (finalidade para a qual sempre é usado na indústria), acaba contribuindo para a vibe intimista da canção, e essa distorção da voz, digamos asim, é algo já usado, com sucesso, por Bon Iver a exaustão, especialmente no antológico ep "Blood Banks". "Eu cresci ouvindo esse uso no pop gringo, e sempre curti o efeito que criava em algumas situações", revela Bernardo, que também cita Charli XCX como uma de suas principais influências.

Bernardo Liz: foco dream-pop

2 3 Toques sobre nobandnobrand

RC- A princípío, o que mais chama atenção em relação ao seu projeto musical é a criatividade, a começar pelo nome: nobrandnoband. Esse nome é como se fosse uma espécie de cartão de visita para o seu público? De onde surgiu essa ideia?

NBNB - Adorei saber disso! Tento ser criativo em tudo que faço, acho que a gente sempre pode tornar as coisas mais.. interessantes, com imaginação. maaas o nome tem uma origem quase que acidental. Em 2018 eu decidi criar um email pra tudo que fosse relacionado a música. Me deparei com a tela de "Crie sua conta" do Gmail, e simplesmente preenchi com o que era minha realidade no momento: um artista sem marca, nem banda. Eu não imaginei na época que fosse virar um nome artístico, mas quanto mais o tempo passava, mais significações eu ia encontrando pra usar esse "cartão de visita", e daí pegou! No band, No brand.

RC - Você é de Porto Alegre, assim como Yoñlu, que escrevia canções magistrais e inventivas dentro do quarto. Um estilo de composição que não vemos muito por aqui no Brasil. A que se deve esse fato na sua opinião, existe uma fonte secreta aí no Sul que inspira o bedroom pop de vocês?

NBNB - Essa pergunta me faz pensar bastante. a resposta simples seria falar do frio né? Faz tanto frio que a gente não quer sair do quarto pra compor. Mas eu acho que tem uma união de elementos aí. A primeira coisa é a questão de cultura e geografia mesmo, aqui em Porto Alegre a gente ama e consome a cultura brasileira, mas parece que a gente vê de fora, sabe? Temos uma cena local que por muito tempo foi mais voltada ao rock gaúcho e ao regionalismo, daí a maior parte do que compõe a identidade musical brasileira, acontece longe, de são paulo pra cima. então, acho que se a gente não se identifica tanto com a cena local, acaba se sentindo mais seguro, mais confortável, escrevendo no quarto, de forma mais intimista.

RC -  No seu single, você confessa que usa o auto-tune, porém, como ferramenta a serviço da arte, e não com intenção estritamente comercial de maquiar algo até que seja aceito pelo mercado. Na sua visão, a tecnologia cria o artista ou o artista cria a tecnologia?

NBNB -  Sim! E isso é outra coisa que é meio incomum no Brasil né? Tirando funk e alguns outros estilos, é bem raro aqui o pessoal usar auto-tune e efeitos vocais como instrumento. eu cresci ouvindo esse uso no pop gringo, e sempre curti o efeito que criava em algumas situações. Tanto que quando eu uso, eu gosto de usar no MÁXIMO mesmo, que é pra mostrar que é um recurso proposital, não pra maquiar um canto ruim. Em algumas músicas eu gosto de usar, em outras, não. Nos próximos lançamentos vai dar pra sentir bem essa mistura! Sobre a pergunta (bem complexa!) entre tecnologia e artista, eu diria que ambos. A tecnologia cria o artista porque ela é parte do ferramental de instrumentos que ele tem a disposição, e a arte que se produz, depende do ferramental disponível. E o artista cria a tecnologia porque, quando ele não encontra alguma ferramenta que ele precisa, ele pode criar esse algo novo.

Veja o clipe de "Memento" do nobandnobrand:

E então, conta pra nós aí nos comentários o que achou da sonoridade do nobandnobrand!

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!