Rolling Stones em “50 Tons de Cinza”

Meu grau de interesse com relação à versão cinematográfica de “50 tons de cinza” foi tanto que a única coisa que ficou na memória depois de uma sacrificante sessão de 125 minutos de olhares 43 e sadomasoquismo gratuito foi a cena em que Anastasia faz panquecas rebolando ao som de “Beast of Burden” dos Rolling Stones, faixa presente no disco mais comercial – e o melhor, na minha opinião – dos caras, “Some Girls” (1978).

Saca só a tradução e tente imaginar por que a balada foi parar nesse filme:

Burro de Carga

Eu nunca serei seu burro de carga

Minhas costas são largas, mas estão machucadas

Tudo que quero é que você me ame

Eu nunca serei seu burro de carga

Tenho andado por milhas, meus pés estão machucados

Tudo que quero é que você me ame
Sou eu duramente bastante

Sou eu àspero o bastante

Sou eu rico o bastante

Eu não estou tão cego para ver
Eu nunca serei seu burro de carga

Então vá para casa e abra as cortinas

Musica na rádio

Vamos baby, faça amor doce comigo
Sou eu duramente bastante

Sou eu aspero o bastante

Sou eu rico o bastante

Eu não estou tão cego para ver
Oh irmãzinha

Linda, linda, linda, linda garota

Você é uma linda, linda, linda, linda, linda, linda

garota

Linda, linda

Igual a uma linda, linda, linda garota

Vamos baby por favor, por favor, por favor
Eu direi a você

Você pode me colocar pra fora

Na rua

Me colocar pra fora

Sem sapatos nos meus pés

mas, me coloque pra fora, me coloque pra fora

Coloque me fora desse estado de miséria
Sim, toda sua doença

Eu posso sugar

Atire tudo em mim

Eu posso jogar tudo fora

Há uma coisa baby

Que não entendo

Você continua dizendo

Que não sou seu tipo de homem
Ainda não sou duro o bastante

Ainda não sou áspero o bastante

Ainda não sou rico o bastante, mas amo o bastante

Oh, por favor
Eu nunca serei seu burro de carga

Eu nunca serei seu burro de carga

Nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca sou
Eu não preciso de um burro de carga

Eu não preciso me irritar

Eu não preciso de cuidados

Nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca, nunca sou

Fonte: Vagalume

Essa mania que os produtores de trilhas sonoras têm de inserir músicas com significados ao pé da letra   às vezes dá certo. Quer dizer, é meio bizarro uma trilha que misture Beyoncé, Sia, Annie Lennox e Rolling Stones, mas tá valendo. Pelo menos a cena de “Beast of Burden” não deixa nada a desejar, diferentemente do resto do filme… Agora dá uma olhada na versão de “Beast of Burden” presente no brilhante reissue do show de Texas em 78, recentemente lançado.

Para entender a dimensão que uma simples faixa dos Rolling Stones tem, basta dizer que “Beast of Burden” inspirou a carreira de muita gente. Só para citar um, Gregg Alexander, então líder do saudoso New Radicals, que voltou à cena no Oscar com a trilha de “Se nada mais der certo“, com Adam Levine, do Maroon 5. Constate por si mesmo a influência:

E já que estamos falando de cinema, que tal rever a volta do compositor Gregg Alexander com “Lost Stars” na interpretação de Adam Levine no Oscar 2015?

Certamente Rolling Stones e mesmo o Maroon 5 são bandas que nos devem uma visitinha, concordam? Vamos torcer!

E aí, qual a sua música preferida dos Rolling Stones? Conta pra nós nos comentários!

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!