[PREMIERE] PUTZ!…They did it again

Não há dúvidas sobre a quantidade e a qualidade da música independente produzida hoje no Brasil. Especialmente em se tratando de rock, um gênero que morre todo ano, mas nunca deixou de respirar no underground. Mas a questão é: quantas dessas bandas você realmente ama? E quantas dessas músicas você ouve por simples prazer? Uma, duas, três....

Putz. Essa é a banda (com o perdão do trocadilho).

E quem tem a nem sempre recompensadora missão de escrever todas as músicas, cantar, tocar, juntar a galera e fazer os clipes atende pelo (novo) nome artístico de Gi Ferreira, que, no auge dos seus 28 anos, acredita ter "demorado" demais para se lançar. O que, na verdade, pode ser um contraponto com as canções brilhantemente escritas, sem a habitual aflição que acomete os muito jovens. "Eu já sei do que gosto, do que não gosto. Claro que a gente vai mudando sempre né, mas já nao tenho vergonha de certas coisas que tinha ou uma necessidade de me encaixar em algum lugar que nao é meu", reflete Gi.

Gi Ferreira: "já fui jovem, agora sou mais adulta do que jovem"

"grave" (assim mesmo, com uma enigmática inicial minúscula) é o segundo single do que promete ser um primeiro álbum, de 11 faixas, a ser lançado na longa fila do primeiro semestre de 2021, com ou sem vacina, com a previsão de um terceiro single antes. Com um vídeo que mistura registros feitos em casa e durante rolês da banda, a faixa é mais uma daquelas que não saem da cabeça depois da primeira audição.

Falar pra quê?
Ninguém vai entender
É tudo invisível
E se for impossível,
eu vou
eu vou
eu voo

“grave” é uma música antiga que estava na gaveta há anos (pode botar uns 4 pelo menos), mas a letra veio só no final do ano passado e foi escrita junto Cyro, nosso guitarrista. Eu tinha o refrão e algumas ideias, aí sentamos e conseguimos completar. Pode-se dizer que “grave” é uma mistura de coisas, nela tem sentimentos pessoais, questionamentos, incertezas e tem como referência também um dos meus livros preferidos, que o Cyro havia acabado de ler quando escrevemos: “Bonsai”, do chileno Alejandro Zambra. Claro, nada ao pé da letra, mas a história do livro nos ajudou a compor essa letra.

Gi Ferreira - frontwoman da Putz

Até então, Gi Ferreira era conhecida pelo sobrenome do pai, o músico Kiko Zambianchi. A adoção do sobrenome da mãe veio como uma forma de se iniciar na carreira artística, sem as inevitáveis comparações com o trabalho do pai. "Não é nada pessoal, digo, tenho total admiração pelo meu pai, é só uma questão de identidade mesmo. Mas para não gerar interpretações erradas, provavelmente vou dizer por aí que é coisa de numerologia", brinca.

Um time para acompanhar de perto

Nascida em São Paulo, Putz é formada por Gi Ferreira, Cyro Sampaio, Sarah Caseiro e Antonio Fermentão. Em 2019, lançaram "Vou Cair" e "Eu Sei", dois singles que foram muito bem recebidos e que ganharam belos clipes. Produzido por Alexandre Capilé, o álbum será mais um lançamento feito em parceria pelos selos Flecha Discos e Forever Vacation Records. 

Putz na lente de JULIA MAGALHÃES

Confira o novo single da Putz: "grave"

Ficha técnica

  • “grave” gravado em Estúdio Costella (São Paulo)
  • Prod/Mix/Master: Alexandre Capilé (Estúdio Costella - São Paulo)
  • 2020 Flecha Discos / Forever Vacation Records

Relembre a participação da Putz no Rock Cabeça

E então, também gostou do novo single da Putz? Diga pra nós aí nos comentários!

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!