Música que move corações: Tigers Jaw, Brvnks e Miêta.

Nossa história começa em São Paulo, onde, por volta das seis da manhã, 3 caras e uma garota se preparam para encarar a Fernão Dias e pegar 8 horas de viagem (e mais algumas muitas em engarrafamentos) até Belo Horizonte,  onde se apresentam pela primeira vez logo mais à noite. Na bagagem, guitarras e uma bolsa com o “merchan”: camisas básicas pintadas com um simbólico desenho feito pela vocalista Bruna Guimarães. Sabem bem eles que a grana extra que geralmente entra com as vendas é uma ajuda e tanto para bandas independentes não tão independentes assim.

autentica

Em Belo Horizonte, Merlin, o produtor do show local pela Deserto Elétrico é pura ansiedade à frente da porta da Autêntica. Não cria expectativas quanto ao público, em pleno feriado de finados. “Vendemos 200 ingressos”. Ao que alguém subitamente comenta: “mas a capacidade da casa é para quantas pessoas”? No que ele responde, 800, mas o público de hoje tá bom”. A primeira das 3 bandas começaria a tocar em meia-hora, enquanto manos e minas lentamente se acumulavam na portaria, ou para tragar, ou para flagrar o movimento.

Da zona sul de BH chega a van da banda principal. Os gringos do Tigers Jaw, de tão cansados do rolê pelo país afora, exigiram que o show começasse mais cedo: 23h, contrariando o que dizia o anúncio, de início às 21 e fechamento às 3h30. O líder e vocalista é o primeiro a sair da van, indo direto para a casa noturna. Esmoreço um pequeno “hi”, ele corresponde friamente no mesmo tom: “hi”. Já a mulher dos teclados ignora a existência de todos e nada mais faz do que correr para dentro, ela e seus cabelos curtos e lisos, levemente coloridos.

Ao relento da Savassi, um bando de garotas se abraçam e se beijam, e o amor resvala. Trata-se da compenetrada banda de abertura, Miêta, novamente se apresentando na casa, mas dessa vez com a expectativa de tocar faixas do novo e aclamadíssimo álbum: “Dive”. Cumprimento a minha colega Bruna, guitarrista de mão cheia munida de uma imponente capa contra o frio. Afável, ela diz que bom que você veio ao nosso show pela primeira vez.

Dentro da Autêntica, todos iríamos testemunhar o evento que mudará para sempre a cena underground brasileira, demonstrando toda a paixão de músicos talentosos e jovens que, ainda doentes, não se furtam a encarar o público e a anunciar o trabalho mais novo no bandcamp. Músicos que topam tocar 40 minutos muito mais pelo prazer de estarem em cima do palco, fazendo o que mais amam.

brvnks

Nesse 2 de novembro, a música moveu corações. 

Show 1: Miêta

mieta

A primeira impressão que se tem ao assistir a um show das mineiras do Miêta é: essas pessoas nasceram tocando música. É incrível como os instrumentos se tornam extensão dos corpos que em cima do palco deslizam o doce e efusivo som do indie. Marcela, a vocal e baixista, toca como se estivesse em casa, para meia dúzia de amigos, tamanha a naturalidade. A segunda impressão que temos é de que talvez nunca mais consigamos nos aproximar desse quarteto de 3 mulheres e 1 cara novamente. Serão engolidos pelo mainstream, questão de tempo, mas duvido muito que percam a identidade e, principalmente, a identificação com o público cativo que levam aonde quer que vão.

Show 2: Brvnks

brvnks

“A Bruna é foda”. Quem me confessa é o próprio baterista e manager para todas as horas do Brvnks, Edimar, enquanto toma sua Heineken e filma o principal show da noite, disfarçado numa touca. Horas antes, a Autêntica seria hipnotizada pelo Brvnks, ou melhor, pela goiana Bruna, cuja beleza tímida se confunde com o talento que tem para escrever canções pop que divertem e emocionam na mesma dose. Doente na ocasião da sua primeira visita corrida à BH, não pode extravasar, mas, segundo Edimar, se estivesse de boas certamente iria para o gargarejo, pulando entre a galera. O Brvnks é uma banda que nos leva a querer gravar o show inteiro, só de recordação e para ver o que a sarcástica vocalista diz entre uma canção e outra,  para provocar os colegas.

Show 3: Tigers Jaw

tigers

A responsabilidade do headliner da noite não poderia ser maior: fechar os shows eletrizantes de Miêta e Brvnks. Como não tinham no cast o apelo carismático de uma Marcela ou de uma Bruna, o jeito foi investir no bom e velho college-rock, desfiando influências como Husker-Du e Big Star para uma audiência que até mesmo viria a improvisar um mosh no reduzido espaço. Os americanos do Tigers Jaw estavam a quilômetros de casa, mas em casa, definitivamente. Conseguiram um feedback tão grandioso do público que a falta de energia apresentada antes de subir ao palco acabou revelando 5 garotxs em plena forma.  Que voltem mais vezes e nunca mais saiam da minha playlist.

E enquanto o palco enchia de som e fúria, na plateia, músicos da cena local se encontravam e reencontravam. Como numa seita dedicada aos deuses do rock, mal adentravam a casa e já se punham a balançar cabeças, de forma que pareciam ter sido ungidos pela força da música.

Queda de braço com o carismático Jay (Young Lights)

Queda de braço com o carismático Jay (Young Lights)

Que eu tenha notado, estavam ali, de corpo e alma, artistas como Roboto, Young Lights em peso e grande parte da Geração do Rock triste, integrantes de Elizia, Evil Matchers e tantas outras que transformam a cena em realidade. E, consequentemente, todos cúmplices da noite em que o rock de Minas se integrou a Goiânia e São Paulo e caiu de cabeça na Pennsylvania, demonstrando quanto é curta a distância dos que realizam o que gostam, para quem realmente gosta.

Hora de tietar a Bruna (Brvnks)

Hora de tietar a Bruna (Brvnks)

E terminamos nossa matéria no Rock and Hostel, onde um Brvnks esgotado se prepara às seis da manhã: terá que encarar um longo caminho de volta até São Paulo, a tempo de a Bruna poder ir para o trabalho. Cansaço? Meu palpite é de que é justamente ele é o maior alimento da alma dos que tocam por amor.

Dia 2 de novembro. Tigers Jaw, Brvnks e Miêta. Uma data que ainda reverberá por muito tempo.

Também esteve lá? Conta pra nós suas impressões aí nos comentários! 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

  • Breno Assis

    Muito bom, destaque pro show da Miêta. Cada vez mais entrosadas!

    • Marcos Tadeu

      Sem dúvida. Já é uma das melhores bandas de BH.

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!