Evan Dando: vida loka

Americano de Boston, filho de um advogado e uma modelo, Evan Dando sempre esteve envolvido em boas doses de polêmica. Considerado pela imprensa um dos rostos mais belos dos anos noventa, Evan teve o auge da sua carreira justamente na época em que Kurt Cobain acabava de lançar “Nevermind”. Estou falando do álbum “It’s a Shame About Ray” de 92, que, por sorte – ou azar – do vocalista líder dos Lemonheads, teve como carro-chefe justamente uma cover de “Mrs. Robinson”. Quem não se lembra?

Mrs. Robinson, que foi incluída em novas versões do It’s a Shame about Ray era de fato uma boa faixa, mas em se tratando de um disco que trouxe tantos clássicos como “Confetti” e “My Drug Buddy” chega até a ser justificável a antipatia que Evan tomou pela música depois de tanto alarde. O engraçado é que os Lemonheads, mesmo antes da versão para a música de Simon e Garfunkel, já tinham fama de dar vida nova a canções emblemáticas. Nos anos 80, quando eram punks, os Lemonheads gravaram músicas de Gram Parsons, Suzanne Vegga e até Charles Manson.

Vale destacar que o último álbum lançado pelos Lemonheads se chama, numa tradução livre “Versões” e traz covers de Leonard Cohen e , pasmem, Cristina Aguilera.

Evan Dando e as Drogas

Liam Gallagher & Evan Dando

As drogas sempre foram uma constante na vida de Evan Dando. Depois de uma sequência de 3 bons álbuns – Lovey, It’s a Shame e Come on Feel the Lemonheads – e abusos sem fim de heroína e cocaína, Evan surtou e teve que entrar para uma rehab. O resultado desse período, em que foi flagrado aos amassos com Courtney Love e até penetra de apresentações do Oasis ele se tornou, veio em forma do disco mais fraco da banda, “Car Button Cloth”, que trazia apenas 2 destaques: a divertida “If I could talk I’d tell you” e – mais uma cover- “Outdoor Type”. Processado por Noel Gallagher, Evan sequer pode incluir uma suposta canção escrita em parceria com Noel no disco. “Purple Paralelogram” segue até hoje uma raridade no repertório lemonheadiano.

Em 98, Dando se casou e teve início uma fase, digamos, mais adulta e introspectiva de sua carreira. Gravou um disco solo tão belo quanto bucólico – Baby I’m Bored, além de um disco duplo – Live at Brattle Teathre – com um lado de canções acústicas ao vivo e outro de covers de músicas country.

Baby_I'm_Bored

Foi só em 2007 que Evan Dando decidiu remontar seus Lemonheads para o disco homônimo, repleto de boas participações como a de J. Mascis, líder do Dinosaur Jr e um provável convidado do Rock Cabeça no futuro. Hoje em dia, Evan Dando resolveu reatar a amizade colorida com a cantora indie Juliana Hatfield numa turnê em que os 2 improvisam seus clássicos. Ainda não há uma data definida para o sucesso de “Varshons”, mas só pelo fato de estar sendo produzido por Ryan Adams, com certeza o novo disco do Lemonheads promete.

Evan Dando e o Brasil

Muita gente não deve saber, mas Evan Dando tem uma relação especial com o Brasil. Isso porque adora uma praia. Já esteve aqui 4 vezes. A primeira num festival em Santos, a segunda em 97 com a turnê de Car Button Cloth e a última pelo Coca-Cola Festival em que cantou ao lado de mendigos na praça, passou mal, ficou rouco e apareceu como convidado no programa de entrevistas do João Gordo, na MTV. Sempre o bom e sem limites Evan Dando.

Evan no Rio

Interaja com o ROCK CABEÇA!!!! 

Confira o programa ROCK CABEÇA 13 com Evan Dando

 Também gosta de Lemonheads? Qual seu disco preferido? Conta pra nós nos comentários!

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!