A volta do Pink Floyd?

Nos últimos meses, repercutiu o boato de que o guitarrista David Gilmour, o baixista Roger Waters e o baterista Nick Mason  fariam uma nova reunião da banda Pink Floyd. A última vez que tocaram juntos foi em 2011, na turnê “TheWall” de Roger. Diversos fãs, admiradores da banda ou ouvintes do rock n’ roll floydiano ficaram extasiados com a possível reunião dos ex-membros do Floyd. Mas a grande questão é: Seria realmente a volta da banda?

pink floyd

 

A utopia de um retorno

Pink Floyd

Talvez, em toda a sua história, o grupo nunca teve certeza de qual foi sua formação clássica. O que sabemos é que ela teve diversas fases, cada uma com sua peculiaridade e com lideranças diferentes. Portanto, qual seria a formação clássica do Pink Floyd? Não sabemos ao certo, mas depois de tantas experiências musicais dá para imaginar que, nem de longe, o verdadeiro Pink Floyd retornará com essa reunião.

Por quê?

Porque Richard Wright e Syd Barrett morreram, Nick Mason evita os palcos,David segue com sua turnê solo e Roger anuncia uma nova turnê titulada “US+THEN”, cujo repertório abrange vários álbuns do Floyd como Saucerful of Secrets (1968), Meddle (1971), Animals (1977). Um fato curioso da turnê, mas bastante previsível pelo estilo de Waters é que na música “Pigs (Three Different Ones)” – do álbum Animals, Waters fez críticas fortíssimas ao candidato republicano Donald Trump, que na ocasião ainda disputava as eleições presidenciais com a democrata Hillary Clinton, mas que acabou vencendo.

Com projeções fantásticas no palco e um imenso porco inflável, Trump é ridicularizado por Waters. A crítica e a letra de Pigs parecem que se encaixaram como uma luva. A letra reflete sobre o controle das massas pelos “endinheirados” ou pelos  políticos inescrupulosos. Além disso, Waters também faz críticas à promessa de campanha do magnata em construir um muro na fronteira com o México. A frase e as palavras escritas no suíno inflável demonstra o desgosto de Waters com o político: “Foda-se Trump e esse muro”, “ignorante, mentiroso, racista, sexista, PORCO”.

Desvencilhando-se desse viés político, o boato de uma nova reunião só ajuda a construir uma utopia de que o Pink Floyd um dia possa voltar. No lançamento de The Endless River em 2014, Gilmour selou o fim do Pink Floyd em entrevistas quando afirmou que o álbum seria o último da banda. O músico ainda acrescenta:

“É uma pena, mas é o fim”.

 O fim do Pink Floyd

pink floyd

Talvez os fãs se irritem comigo neste momento, mas eu arrisco a dizer que o Pink Floyd acabou há muito tempo. Esqueçamos os problemas e as brigas que os membros passaram.  Basta ouvir os discos depois do álbum Animals (1977). A identidade como um quarteto foi sumindo, a sintonia entre os membros foi se extinguindo e os álbuns foram tomados por cargas totalmente individualistas.

The Wall (1979), considerado por muitos uma obra prima,prioriza principalmente as ideias de Waters – líder assumido da banda na época (O álbum é sobre a vida dele). Os teclados de Rick–já como músico convidado,a bateria de Mason e os solos de David no disco não são os mesmos, ficaram descaracterizados. Já os vocais de Waters mostraram o potencial do baixista como cantor e emocionam durante todo o disco.

The Wall é, sem dúvidas, a grande obra de sua carreira, mas faltou dar um pouco mais de personalidade aos “companheiros”.Com exceção da icônica canção Confortably Numb(inicialmente uma ideia de David Gilmour),não é possível sentir a alma dos outros membros nas canções, apenas de Waters.

Depois disso, expulsões dentro da banda influenciaram drasticamente o som do Floyd. The Final Cut (1983) não teve a participação de Rick, que foi expulso durante o The Wall. Todas as canções foram compostas e cantadas por Waters. Entre uma música ou outra dá para tirar, talvez, algo bom. O álbum é praticamente um disco solo de Waters, mas leva o título de Pink Floyd.

Depois disso, Gilmour assume a banda e Waters é expulso. Nem preciso dizer que a banda sem o ex-baixista perdeu a genialidade das letras conceituais, isso é inegável. Menos preocupação com as palavras, mas sim com a instrumentação e com a melodia.

Convenhamos, The Division Bell (1994), por exemplo, é um álbum bonito, mas não é genial como Dark Side of  The Moon (1973) ou Animals. As letras doThe Division Bell foram quase todas escritas por Polly Samson – esposa de David.

Talvez isso revele um leve descompromisso do guitarrista em relação às letras conceituais.

Já o álbum The Momentary Lapse of Reason (1987) vingou menos, ou quase nada. Deste álbum, apenas três canções das dez lançadas tiveram um grande prestígio: Sorrow, Learning To fly e On the Turning Away. Ainda é preciso destacar que essas não são propriamente reconhecidas pela versão de estúdio, mas, sim pela enorme quantidade de versões em shows ao vivo.

 

Todos são o Pink Floyd

Pink Floyd

O resumo disso tudo é que todos os integrantes da banda são o Pink, ou o Floyd, como preferir. A volta da banda só seria possível com todos os integrantes reunidos, compondo e fazendo turnês juntos.

A reunião em 2005 no Hyde Park em Londres pelo Live 8 é um exemplo de verdadeiro Pink Floyd. A guitarra, o baixo, o teclado e a bateria naquele dia soaram como Pink Floyd. É impossível imitar o som dos quatro juntos, não adianta. Por mais que tenhamos os mesmos equipamentos, nós não temos os mesmos braços e as almas deles. O próprio Gilmour reconhece isso.

Algo acima da música

pink floyd

Em sua turnê Rattle That Lock(2015, 2016), o guitarrista voltou a se apresentar depois de 45 anos no Anfiteatro Romano de Pompéia, Itália: o mesmo local em que foi gravado o famoso“Live At Pompeii” em 1971.Depois do anúncio desse retorno memorável, a clássica canção Echoes foi uma das mais esperadas pelos fãs, pois a música ficou muito conhecida justamente naquele local.

Porém, David talvez nunca mais volte a tocar Echoes:

“Seria encantador tocar Echoes aqui em Pompéia, porém não vou tocá-la sem Richard Wright. Há algo especificamente individual na forma em que Rick e eu tocávamos esta canção que é impossível de ensinar para outra pessoa. É algo acima da música”, afirmou o músico na ocasião em uma entrevista à revista Rolling Stone. Essa afirmação do senhor Gilmour só comprova o que eu disse lá atrás: não há ninguém no mundo que possa repetir os feitos desses homens.

Uma reunião entre Roger Waters, David Gilmour e Nick Mason sem o tecladista Richard Wright nunca vai trazer o Pink Floyd à tona. A alma nunca vai ser igual. O rio é sem fim para o Pink Floyd, mas ele infelizmente já secou.

Você também acha? Diga aí nos comentários! 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

ROCK CABEÇA no seu email!

Quer ler mais notícias como essa, diariamente?
Escreva seu email para receber todas as atualizações do site, direto na sua caixa de entrada. É gratuito e sem Spam

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!

ROCK CABEÇA no seu email!

Que tal fazer parte da realeza do rock, com artigos exclusivos sobre os maiores astros e os melhores shows do mundo?

I’m the Prince of Darkness” - Ozzy

Não se esqueça de clicar no email de confirmação!